Depoimentos

Confira o feedback dos meus clientes!

M.L.S.S.C. 35 anos.

Tive uma educação muito rígida e sexo era um tabu. Só poderia ter uma experiência depois que casasse.

Conheci meu marido, namoramos por 2 anos e casamos. Foi quando o problema começou (ou melhor, que descobrimos).

Logo na lua de mel, “travei”. Tentamos a penetração e nada. Falei para ele que era normal, pois passei minha vida toda escutando de amigas, que a primeira relação era dolorosa e difícil.

Voltamos da lua de mel e tentamos novamente, e nada acontecia. Fomos tentando e sempre fracassando. Quando vimos, já havia passado 3 meses e nada.

Fui para uma ginecologista e expliquei a situação e, ela falou que eu não estava relaxada o suficiente e, por isso não conseguia a penetração. Fiquei confusa se seria isso mesmo.

Passei um período sem tentar e com isso me acomodei e achava que um dia, como por “encanto”, eu conseguiria. Só que infelizmente não foi isso que aconteceu.

Já havia se passado 4 anos. Vinha na minha cabeça mil e uma coisas. Agradeço a Deus ter colocado um homem compreensivo, carinhoso, que entendia essa situação e que nunca me cobrava. Mas a cobrança era minha. Estava triste e me sentia incompleta.

Decidi que tinha que descobrir o que estava acontecendo comigo. Foi quando resolvi pesquisar sobre os meus sintomas e li pela primeira vez a palavra VAGINISMO. Parei e disse: “Eu tenho isso. Só pode ser!”. Falei para meu marido que disse que esse era o problema de não conseguir ser penetrada.

Fui novamente para outra ginecologista, só que dessa vez, já sabia o que tinha, devido à pesquisa. Ela concordou comigo e me encaminhou para uma psicóloga. Mesmo assim, esperei mais 1 ano, para tomar a decisão de procurar o tratamento adequado. Até que finalmente parei de me sabotar e comecei meu tratamento com a pessoa que iria mudar a minha vida, a minha história – Dra. Chris Cavalcante, que com seu profissionalismo, dedicação, empenho e tudo mais, com apenas poucas palavras, talvez para alguns, simples, mas para mim foi o que me incentivou a prosseguir: “logo ficará boa!”. E foi isso que aconteceu, com as sessões de terapia sexual e com os exercícios, dentre eles, os de Dilatação Vaginal, realizados inicialmente com ela (isso porque ela é ginecologista, além de sexóloga e psicóloga) e com minha dedicação e compromisso nas “tarefas de casa”.

Dessa forma, com menos de 3 meses, consegui finalmente ser penetrada e, mais que isso, amadurecer nossa sexualidade, porque meu marido, também participou de algumas sessões, o que o ajudou a entender o funcionamento da sexualidade feminina e hoje, iniciamos verdadeiramente nossa vida sexual.

Hoje me sinto completa e muito feliz, tendo um casamento ainda melhor.

Com esse depoimento incentivo a todas as mulheres, que sofrem com esse ou outros problemas sexuais, a procurarem o mais rápido possível a Terapia Sexual e não ficar tanto tempo em sofrimento como eu, ou melhor, como nós – eu e meu esposo.

Agora, só FELICIDADE SEXUAL.

M.A.F. 21 anos

Confissões de uma Ex-Vagínica
“Sem a terapia eu nunca saberia que a minha disfunção era vaginismo. Nem sabia que existia nomenclatura para o meu “problema”, apenas sentia que havia algo muito errado comigo.
Eu já tinha mais de quatro anos de namoro, alguns meses de noivado, a certeza de que amava a pessoa que estava ao meu lado, pronta para o próximo passo e já havia tentado várias vezes consumar o meu amor. Cada tentativa era um martírio para mim, não passava das preliminares e eu já não aguentava ouvir das pessoas que era para relaxar e ir fundo. Afinal de contas, todas as mulheres passavam por isso e sabiam administrar a dor ou o ardor. Mas eu não entendia porque comigo era diferente, a dor era insuportável. E por mais que o meu noivo tentasse a penetração, por pedido meu, não tínhamos progresso algum.
Isso me afetava tanto, que pensei várias vezes em acabar o relacionamento por achar que nunca poderia completá-lo e que definitivamente sexo não era uma coisa para mim. Pensava na minha impossibilidade de realizar meu parceiro por completo, e tinha pesadelos com a nossa falida lua-de-mel… Apesar de ter o total apoio do meu noivo, de nunca ter passado por algum tipo de pressão, eu não me sentia uma boa namorada, faltava algo, que, a meu ver, era impossível de realizar.
Cheguei até a consultar uma ginecologista, falei que não conseguia ter relações sexuais e, depois de me examinar, disse para eu relaxar e me deu uma amostra de lubrificante. A decepção foi enorme, pois se nem uma médica sabia o que eu tinha, deveria ser algo muito grave.
 
Até que em um desabafo com a minha sogra, ela que tinha algum conhecimento, me deu uma luz do que provavelmente eu teria e marcou uma consulta com uma terapeuta sexual!!! Não via porque uma poderia me ajudar pois pensava que ajudava a melhorar o relacionamento dos casais em suas relações sexuais. Engano meu!
 
Na primeira consulta, a Doutora Christyne escutou todo o meu histórico de tentativas frustradas e diagnosticou-me como uma paciente vagínica (eu odiei o termo), me deu apoio e me explicou que a depender da paciente, a alta é rápida. Só acreditei vendo… Ia as consultas semanais e o tratamento consistia em exercícios e terapia para que eu largasse a ideia de que minha vagina era uma cavidade impenetrável. Me empenhei ao máximo e cada etapa vencida era uma alegria. Saía das sessões com um sorriso no rosto, por ter a certeza de que eu ficaria livre daquilo e que estava seguindo o caminho certo.
Em dois meses e meio, a Doutora me deu alta e pude pela primeira vez desde que comecei o tratamento tentar ter uma relação sexual completa com o meu noive. E uma semana antes de completarmos cinco anos de namoro, fizemos amor pela primeira vez. E o melhor de tudo, sem dor! Foi muito bom mesmo, nada daqueles sintomas que sentia antes… Não dá para descrever a emoção que foi!
Hoje tenho uma relação completa com o meu parceiro, com muito amor, companheirismo, carinho e o que eu não tinha antes… Sexo! Dizer que o tratamento foi fundamental e o único modo de ter minha realização é imprescindível.
Vou ser sempre grata a minha sogra e a Doutora Christyne que escutou minha saga, me ajudou e ficou feliz com cada passinho que consegui alcançar. Que ela continue estudando, descobrindo novas técnicas e sempre ajudando a mais pacientes vagínicas.”

Ivana Carla Cavalcante (Psicóloga e Sexóloga / Maceió)

“Quero falar de uma pessoa muito especial… Especial como ser humano, por ser portadora de uma alegria contagiante e de uma capacidade indescritível de encantar com seu jeito simples e carismático o público mais eclético que existe… Do cientista ao leigo.
 
Trata-se de uma “pequena grande” mulher, Christyne Rose. Ousada, destemida, capaz de encarar os mais fantásticos desafios, como o de unir qualidade de vida e muito profissionalismo – unindo a arte de escrever, pois é uma excelente escritora e a de falar, tendo como uma de suas paixões a atividade, que para ela é quase um lazer, a de ser palestrante e facilitadora de cursos, onde articula de maneira harmoniosa a cientificidade de seus conhecimentos com uma “overdose”de criatividade, dinamismo e empatia com seu público.”

A. G. 40 anos

“Quero falar de uma pessoa muito especial… Especial como ser humano, por ser portadora de uma alegria contagiante e de uma capacidade indescritível de encantar com seu jeito simples e carismático o público mais eclético que existe… Do cientista ao leigo.
Trata-se de uma “pequena grande” mulher, Christyne Rose. Ousada, destemida, capaz de encarar os mais fantásticos desafios, como o de unir qualidade de vida e muito profissionalismo – unindo a arte de escrever, pois é uma excelente escritora e a de falar, tendo como uma de suas paixões a atividade, que para ela é quase um lazer, a de ser palestrante e facilitadora de cursos, onde articula de maneira harmoniosa a cientificidade de seus conhecimentos com uma “overdose”de criatividade, dinamismo e empatia com seu público.”

  • Página 1 de 2
  • 1
  • 2